Por Kazuhiro Kurita | 09 setembro 2018

O IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada divulgou na terça-feira, 11 de setembro, o seu Indicador da Inflação por Faixa de Renda do mês de agosto. Ele registrou uma queda de 0,12% para famílias de renda mais baixa contra -0,06% entre as famílias de renda mais alta.

A queda dos preços de alimentos, principalmente de itens mais importantes na cesta de consumo, como tubérculos, carnes, leites e derivados, aves e ovos, foi a responsável pelo alívio dos mais pobres. Eles também ser favoreceram da diminuição do valor do gás de botijão.

As famílias de renda mais alta, por outro lado, se beneficiaram menos pela queda dos preços dos alimentos. Isto porque os itens que mais pesam nas suas contas, como tarifas de gás encanado, planos de saúde e cursos diversos, tiveram pequenos aumentos, embora a gasolina e as passagens aéreas tenham sofrido deflação no período.

Apesar da baixa, se levarmos em consideração os últimos 12 meses, a inflação acumulada pelas famílias de menor renda cresceu 3,45% em julho para 3,55% em agosto. A deflação registrada entre as famílias mais pobres foi menor que a observada no mesmo mês de 2017 (-0,22%). No caso das famílias de renda alta, ocorreu o inverso. A inflação de agosto de 2017 (0,53%) foi maior que a apontada no mesmo mês de 2018.

Kazuhiro Kurita
é editor da Flamboyant Comunicações, formado em Publicidade e Propaganda e Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero.