Por Claudinei Nascimento | 10 junho 2018

O Instituto Leo está com inscrições abertas para curso gratuito de Marcenaria até o dia 15 de junho. Podem participar adultos a partir dos 18 anos, que tenham pelo menos a sexta-série do ensino fundamental e renda familiar de até meio salário mínimo por pessoa.

Para o segundo semestre deste ano, serão oferecidas 60 vagas. O curso tem duração de 55 dias e acontece em dois períodos, das 8h às 12h ou das 14h às 18h. Os alunos aprovados também ganham lanche e uniforme. 

Segundo Kenia Malves, coordenadora do Instituto Leo, as técnicas básicas de Marcenaria são transmitidas em 30 horas. A partir daí, começa uma segunda fase, intitulada Consolidação, onde, em equipe, os alunos têm o desafio de produzir uma peça. “No final do curso, eles participam ainda do projeto Marcenaria do Bem, doando suas produções para organizações não governamentais”, afirma.

Jozi Marcia da Silva, 37 anos, é formada em Engenharia Civil. Porém, como quer trabalhar em projetos mobiliários, decidiu fazer o curso de Marcenaria. “A área exige muita precisão e criatividade e tem ajudado muito a me aperfeiçoar profissionalmente”, diz.

Histórias como a de Jozi são representativas de um segmento marcado por constantes transformações, segundo a instrutora do Curso de Marcenaria, Veronica Braga. “Para se destacar neste mercado, é preciso estar sempre atualizado sobre as novas tendências”, orienta ela, que foi aluna do mesmo curso em 2016. 
Para se inscrever, é necessário enviar um e-mail para leo.educa@leomadeiras.com.br com o texto Leo educa no assunto. As aulas acontecerão na Rua Bartolomeu Paes, 136, Vila Anastácio. Após a inscrição, todos serão chamados para participar de um processo seletivo. “O objetivo é identificar aqueles que realmente têm interesse no curso”, resume a coordenadora. 

Sobre o Instituto

Desde 2007, o Instituto já capacitou mais de 1.200 pessoas. Em 2017, cerca de 60% dos formados foram inseridos no mercado. A iniciativa surgiu para suprir a necessidade de parceiros que necessitavam de uma mão especializada no setor. “Essa carência, aliada ao desejo da Leo Madeiras em desenvolver uma ação social, culminou com a criação do curso”, finaliza Kenia Malves.

Claudinei Nascimento
é editor do jornal “O Amarelinho”, formado em Jornalismo e pós-graduado em Comunicação e Marketing pela Faculdade Cásper Líbero.