Por Redação | 12 abril 2018

A decisão judicial proferida pela 11ª Vara do Trabalho de Brasília fez com que o Ministério do Trabalho atualizasse o Cadastro dos Empregadores, mais conhecido como Lista Suja do Trabalho Escravo. Ela traz como novidade a inclusão de 34 novos nomes de pessoas físicas e jurídicas, como a Rumo Malha Paulista, a Cone Brasil e duas construtoras, entre outras.
Segundo Ulisses Dias Carvalho, vice-coordenador nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (CONAETE), os 34 novos nomes foram responsáveis por 269 trabalhadores em situação análoga à escravidão. Para ele, a divulgação é importante porque as instituições financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural não podem renovar ou conceder financiamento para quem estiver na lista.
Após ação civil pública do Ministério Público do Trabalho (MPT), a decisão judicial esclarece e ratifica a necessidade de atualização e publicação do cadastro a cada seis meses. Com isso, o Ministério do Trabalho é obrigado a divulgar a lista sem necessidade de pedido por parte do MPT.
Confira a lista no link https://bit.ly/2JEP46X.

Fonte: Procuradoria-Geral do Trabalho | Foto: MPT/BA

Redação
Equipe de jornalistas do jornal “O Amarelinho”.