Por | 16 dezembro 2016


A palavra empreender costuma estar relacionada apenas à gestão de um negócio próprio, mas muitas pessoas não sabem que o conceito pode ser aplicado a todas as áreas da vida. “Empreender não é só ser patrão. É possível empreender também como funcionário. Só o fato de dedicar algumas horas do dia para o trabalho e, ao final do mês, receber uma remuneração já se caracteriza como uma forma de empreender. Ou seja, todo mundo empreende de alguma forma”, afirma o mestre em educação financeira e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos. 

Segundo o mestre, ter esta visão sobre como empregar tempo e dinheiro é uma das primeiras lições para entender o verdadeiro sentido de empreendedorismo. Isso porque muitos profissionais dedicam diversas horas em um negócio e depois de receber o dinheiro o administram de forma errada, pois não separam os investimentos para carreira ou negócio da vida pessoal ou familiar. “As pessoas precisam aprender a separar o dinheiro do negócio e o da família, seja para investir no negócio próprio ou se capacitar para conquistar um cargo melhor na empresa para a qual trabalha”. 

E essa separação só pode ser realizada com o planejamento. Para Domingos, a partir do momento em que a pessoa decide abrir um negócio, ela precisa ter um plano para saber em que e o quanto irá investir e garantir um capital de giro, ou seja, um dinheiro dedicado exclusivamente à sobrevivência da empresa, independentemente da vida pessoal e familiar. “Quem se aventura a ter o próprio negócio deve ter em mente sua situação de vulnerabilidade, pois não tem mais os benefícios assegurados quando era empregado. Tudo dependerá do andamento do negócio. A falta de planejamento pode levar à falência”, finaliza. 
Aline Ferreira
é formada em Jornalismo e estudante de Cinema. Como repórter, atuou em editorias de Cidades, Política e Cadernos Especiais de jornais impressos.