Página inicial > Notícias > O fim do emprego com a evolução da tecnologia?
Foto: Shutterstock
publicado em 06/08/2017
O fim do emprego com a evolução da tecnologia?
Novas vagas devem exigir competências não demandadas para diversos profissionais na atualidade.
A tecnologia vai aumentar o portfólio de trabalho e novas profissões serão criadas, mas, por outro lado, vai exigir algumas competências, como capacidade de programação, conhecimento matemático e lógica, entre outras. O desafio está na preparação, principalmente daquelas profissões que não estão associadas, historicamente, às habilidades matemáticas. 

Muitas profissões vão mudar completamente, criando várias oportunidades para quem souber explorá-las. Porém, isto vai exigir uma nova formação e competências que hoje não são exigidas em todas as profissões. No entanto, inevitavelmente, esta situação vai se concretizar e estarão em desvantagem os indivíduos que não se prepararem para esse novo cenário. 

Percebo um potencial crescente para freelancers, pois as empresas estão muito pressionadas por resultados financeiros, o que leva a uma tendência de utilização desse profissional em pequenas empresas. Isso tudo fica ainda mais complexo se olharmos sob a perspectiva de leis trabalhistas e todas as instabilidades observadas no País. 

Prevejo ainda que vai acontecer uma migração da força de trabalho, haja vista que existe a possibilidade de alguns postos fecharem para as camadas mais baixas da sociedade. Por outro lado, várias posições vão abrir, trazendo demandas que não necessariamente encontrarão muitos profissionais para 
preenchê-las.

Logo, ocorrerá um aumento da disparidade entre o topo e a base da pirâmide social. Como esses postos apresentam características difíceis de serem preenchidas, inevitavelmente os trabalhadores que as atendam serão mais valorizados. E, por serem mais bem pagos, deverão concentrar mais renda. 

Por fim, se muitos postos de trabalho desaparecerão nas camadas mais baixas da sociedade, teremos uma renda per capita média ainda mais reduzida nessas classes. Consequentemente, a renda média por pessoa subirá nas camadas mais altas. Isso pode trazer uma série de discrepâncias sociais, sendo difícil prever seus desdobramentos.